dezembro 27, 2010

Talvez

 E se eu permitisse que você existisse?
Não só você, mas eu e você?
A palavra amor continua sendo uma tremenda bobagem na minha cabeça, mas há horas que ela faz sentido. E nessas horas ela torna a não ter sentido algum e torna-se banal.
Mas um “mal necessário”.
Oh, mas entenda de que tipo de amor estou falando, por favor.
Falo do amor que possa incluir eu e você.
Talvez não seja banal ou bobagem, talvez este seja medo. Um medo profundo de arriscar e sentir as batidas...
Tum tum, tum tum...
Do meu coração batendo com sua presença.
Medo de ter aquele desejo insaciável e sentir asas...
Flap flap, flap flap...
Das borboletas no meu estômago com seu abraço.
Mas pode também ser tudo uma bobagem, palavras jogadas no papel, escritas para matar o tempo de um dia que as horas parecem correr depressa, mesmo com absolutamente nada para fazer.
Não é pecado algum mudar de idéia de vez em quando.
Não, não mudei de idéia.
Mas a idéia de ter você é bastante tentadora, admito.
Talvez valha um pouco a pena.
Eu e você.
Não acha?


Desculpa a falta de post, é que com essa coisa toda de fim de ano, não tive tempo nem  de ir comprar um band-aid (e eu estou devendo essa band-aid faz um tempão, mas hoje mesmo eu compro). 


Super beijinhos,
Hoho'n

3 comentários:

  1. sei como é sentir tudo isso! É triste, mas é uma superação tbm.

    ResponderExcluir
  2. Dúvidas, por mais finitas que sejam, tem o poder de tirar o ar tão facilmente. É tão complicado e ao mesmo tempo tão simples.

    ResponderExcluir
  3. imagino para o que será esse band-aid...
    lindo texto e AHH! que bom que você também acha o Xavier melhor que o Robert, achei que fosse ser morta por ter dito isso xD

    ResponderExcluir