outubro 05, 2011

De um lugar, bem alto

14 tortas de limão

Daqui de cima posso ver o mundo, as pessoas. Vejo-as, caminhando lentamente – aqui em cima tudo passa muito devagar – para suas vidas simples, para seus objetivos, para sua rotina incessante. Posso ver até mesmo a mim, lendo um livro empoeirado, sustentando meu vício em café ou apenas olhando alto, procurando por mim, aqui em cima.
Será que eu posso me ver dali, tão de baixo?
Daqui de cima, acima de mim, eu posso ver o céu em seus milhares tons. Sobre mim, o céu azul-dia-ensolarado caminha dando espaço ao prata-dia-de-chuva, com sua brisa fria e agradável trazendo o cheiro consigo. Daqui de cima posso ver a chuva se formando nas nuvens, raios parando ao meu lado a poucos metros. Ao olhar para trás vejo as constelações do outro lado do mundo. Tão diferentes e belas! As estrelas trazem sons de tambores da África, enquanto observo atentamente a cidade envelhecida, mas tão cheia de vida lá embaixo. Consigo ver um sorriso estampado no meu próprio rosto, braços que não pertencem a mim ao redor do meu corpo. Vejo felicidade enfim. Aqui em cima, sentimentos são palpáveis, consigo colocar a felicidade nas mãos, trancafia-la num cofre.
Posso eu sentir nas mãos a felicidade tão leve e frágil lá embaixo também?
Daqui de cima, no topo do meu eu, da minha alma tatuada de coisas não feitas, não ditas e que jamais farei, me observo ali embaixo, como quem se vê num espelho novo. Mas posso olhar para os lados e ver o mundo, as constelações, a água caindo suavemente de uma nuvem até mim. Escuto todas as vozes, assisto à todas as façanhas...
Egoísta e grandioso demais enxergar a alma do tamanho do mundo, mas cá estou eu, no topo da minha alma, um arranha-céu velho, em ruínas, assistindo minha vida que passa tão depressa lá em baixo e tão lentamente, quase em câmera lenta, aqui em cima.
É um belo filme, diria.
Daria mesmo até um bom livro.
Ou não.
Daqui de cima posso me ver lá embaixo, me procurando em algum lugar por aqui.
Poderia eu tentar descer esse prédio velho de escadas para me encontrar lá embaixo?
Ou deveria eu tentar subir?

setembro 23, 2011

Sobre as coisas que me inspiram: Anna Bee

4 tortas de limão
Seguindo sobre as coisas que me inspiram - e desculpem o sumiço - resolvi falar de ninguém mais ninguém menos que a diva da ANNA BEE.
Foram uns amigos meus que me indicaram o blog dela, já que sempre curti ilustração geral e tal. Fiquei espantada e admirada de ver que em pouquíssimo tempo fiquei fã, participando da história dela como se eu a conhecesse. Passei até a acompanhar os logs (que não tem desde a Luzia) e me via torcendo, comentando, e louca para saber como podia ser tããão bom aquele blog, as fotos e os vídeos.

Anna Bezerra é uma garota, atualmente nos seus 18 anos que decidiu compartilhar as peripécias da sua vida e da sua banda num blog, de um jeito super bem humorado. Sempre me via voltando e lendo tudo de novo, porque a Anna está sempre muito próxima das pessoas que lêem, e é tudo muito descontraído. E falando na banda, você sempre curte a galera do HotHotMails, suas músicas num pique Daft Punk, que faz você querer dançar junto.

HotHotMails!

Acho super válido você ir dar uma conferida, para conhecer a Anna, seus amigos, sua história e claro, a Luzia, que você ainda não sabe quem é. Não deu para fazer um desenho porque estou sem tempo, mas amanhã tem post, porque estou devendo umas coisinhas para vocês!
Acompanhem a Anna aqui no blog dela. Garanto que vale muito a pena.

Super beijinhos,
Hohon

setembro 14, 2011

Perfume

7 tortas de limão
Fiquei muito tempo sem escrever nem uma frase. Esse mês que fiquei fora me deixou meio mal acostumada, e os anos que venho tentando ignorar o amor me fizeram perder a prática de falar dele. 
Mas se nesse mês eu estou aprendendo novamente seu significado - quem diria - é dele que vou falar.
Desculpe se o texto não ficou como os que escrevo aqui geralmente.

Borrifo o perfume antes de sair de casa, numa manhã cinza, fria e agradável. Minha canção de ninar tocava lá fora me chamando pra cama. Chovia. Na janela, respirei fundo e o petricor me fazia querer adormecer. Mas o cheiro suave e doce da fragrância me desperta. Dormi, num desespero inconstante de que as cobertas ao meu redor fossem seus braços, e aquele cheiro que sentia em mim era o seu. E era o seu. Tal cheiro que é uma mistura do teu cheiro no meu, que nem sei mais se é meu cheiro, teu cheiro, ou o nosso. Ficou aqui. Virou parte de mim.
Mas teus braços não, estes não ficaram.
Fiquei inconstante e presa a algo que não sabia o que era. Procurei todas as palavras do mundo para escrever um texto, onde só queria escrever seu nome. Descrever teu abraço. Tua fragrância, pra mim tão tua, tão nossa. Tão eu e você.
Você conseguiu, no meio da tempestade e do sol, fazer de mim, do um milhão de eus te desejarem toda a santa noite. Sentir você todo o santo momento. Descobrir que um coração suicida em mim ainda existe. Pelo menos os pedaços que restaram estão juntos, batendo forte novamente. Nem deixou o gelo entrar.
E você é quem pergunta, que raios que fiz com você...
Quem diria...
Quem diria diz muito. Mentira, diz nada. Só faz sentido dizer apenas isso, no meio dessa história louca e confusa, que parece um sonho ao contrário, sonho que eu não quero acordar tão cedo, mas que está passando tão rápido. Tão rápido que quero controlar um pouco esse tempo.
Quanto melodrama. Desculpa, não sei falar de gostar.
Aliás, adiantou de porra nenhuma falar diabos do amor. Eu era uma flor que não exalava perfume, e agora exala o seu. Coração inexistente que agora bate. Pedra, que agora gosta, agora sente.
Quem diria...
Saí de casa, preparada para a chuva, que mais parecia um dia ensolarado. A temperatura diminuíra, mas pela primeira vez, meu humor não.
E aquele dia preguiçoso e alegre, de variados perfumes - o petricor, o perfume doce que borrifei antes de sair e o seu -  eram eu, eram você.
Um jardim feito da gente.
Perfume, todo nosso.

setembro 09, 2011

Bom filho a casa retorna...

10 tortas de limão
Mas volta diferente. Passa por névoa, passa por sol, por lua, por tempestade, e depois, como mágica ele muda. E volta. Eu voltei. Serei eu uma boa filha?
Nunca questionei tanto isso quanto tenho questionado nos últimos dias.
Tive diversos motivos que me levaram a sumir durante quase DOIS meses – nunca fiquei tanto tempo sem postar na vida – e não foi fácil ficar tanto tempo fora. Aconteceram diversas coisas – das quais não serão mencionadas aqui, não todas – e ainda estava tentando inutilmente mudar algo por fora sem perceber que tinha mudado completamente por dentro. Ai por fora mudou. Porque mudaram as atitudes também.
Em um mês eu ganhei muito, perdi demais, aprendi o que julguei ser incapaz de aprender em tão pouco tempo – que foi tão longo e passou tão longa e um pouco dolorosamente – mas que passou, teve suas consequências, suas sequelas e como tudo na vida, seu lado bom. Na verdade, pra mim um lado muito bom. Mas nem todo mundo julga dessa forma.
Sumi por pura vontade própria – pois é – e quando eu disse BASTA, volto pro meu blog, o computador quebrou, mas o consertei hoje. E agora eu estou de volta. Voltei pra casa. Voltei diferente, mas voltei.
O novo lay representa esse novo eu, afinal, esse blog faz jus ao nome. Conto com vocês para continuarem nessa minha busca inconstante de me encontrar, de encontrar vocês, de encontrar gente sensata, gente amigável, gente que é gente de verdade. Não um corpo sem alma.
Estava com saudade. Com muita saudade.
Super imensos beijinhos.

julho 27, 2011

Enquanto isso, no flickr...

12 tortas de limão
Andei fazendo 2 tipos de coisas essa semana: lendo blogs de organização e decoração e admirando fotos no flickr. E antes de compartilhar com vocês a 3ª parte da saga do 30 Days Drawing Challenge (qual minha comida favorita?) eu venho mostrar para vocês alguns flickrs que tenho admirado e acredito que vocês vão gostar também!
O Metin tem fotos simples, caseiras que me dão uma sensação de aconchego que não sinto com facilidade. Suas fotos digitais são lindas (principalmente as dos prédios do NY) mas as analógicas conquistam, justamente por essa sensação de aconchego, dá um certo calor gostoso as fotos que ele tira. Os videos que ele faz também são bacanas, vale super dar uma conferida aqui e ele também é designer e tem páginas na internet aqui e aqui
Já havia falado da Elyse aqui no blog quando postei sobre fotos com bolhas (falei do Metin também) mas tive que colocar novamente, porque além daquela foto maravilhosa com bolhas, ela tem fotos lindas, com muito verde, às vezes um toque vintage, às vezes com alguma intervenção (você já viu uma poltrona nova e linda no meio do mato?) e acho que é por esses toques que dão toda a diferença que sou apaixonada pelas fotos dela. Confira o flickr dela aqui.
As fotos da Inès são lindas e muito bem tiradas, o forte dela não é as pessoas e sim as paisagens. Cada lugar lindo que nos faz sentir caminhar num conto de fadas (principalmente as fotos dos cavalos e dos jardins megamagníficos) e as fotos analógicas sempre deixam as fotos de alguma forma mais bonitas. O flickr dela é esse aqui.
Self-portraits maravilhosas que te dá a maior vontade de pegar a primeira câmera que tiver na frente e tirar muitas fotos. São lindas por serem tiradas em lugares lindos, com flores e tudo mais. São fotos delicadas e fofas, com uma deliciosa sensação de liberdade. Dêem uma olhada no flickr e no tumblr.
Fotos simples, mas bem tiradas, o forte dela também são as self-portraits encantadoras, com muito sol, muita natureza, muito cabelo jogado ao vento... são delicadas, ganham pela simplicidade, e não sei como não coloquei as fotos de bolhas dela no último post sobre fotografia. Flickr dela aqui.

Espero que tenham gostado tanto das fotos deles como eu gosto. Acredito que logo trago umas minhas para vocês verem, fiquei inspirada! kk


julho 20, 2011

Sou um mil, um milhão, uma.

10 tortas de limão
Minha sensação anormal de, que de alguma forma, eu não pertenço a este lugar. Não pertenço a este planeta, ou a este universo. Talvez seja porque não consigo me conformar que eu seja uma única pessoa. Eu penso por cinco, ou até mais.
Sou mil em um único dia, penso por mil em um único minuto, um de cada vez. Tão velozmente, que não noto. Nem ninguém, mas essas mil sou eu, ou são várias, mas numa única pessoa, num único corpo, e não em uma única mente.
Vim de cada canto do mundo, sou feita de substantivos, não de adjetivos – adjetivos não definem uma pessoa nem pela metade, mesmo usando um milhão deles – não sei o que são crenças, e a única coisa que sei é que existo, porque penso. Mas penso tanto, que acredito que não existo uma única vez.
Não me conformo em ser uma única pessoa. Para cada mente dentro de mim, um dom. Um ideal. Um sonho. Sem sair de um único corpo. O mesmo que deixa lágrimas caírem no travesseiro quando não suporta o frio, o mesmo que sorri com uma caneca de café debaixo das cobertas. A mesma que ama e que fala mal de quem o faz. A mesma boca que sorri, mas nunca o mesmo sorriso. Sou a possessão de mil e uma mentes, e o espaço está ficando pequeno demais.
Uma mente contradizendo a outra. Não é possível que eu seja a mesma pessoa.
Não é possível que eu seja uma única pessoa.
Sou um mil, um milhão.
Posso ser quinhentos em algumas horas. Posso ser apenas duas em alguns dias.
Mas só posso ser uma por vez. Não mais que isso.
E mesmo assim, não tem espaço. Talvez eu não seja mesmo desse lugar.

Textinho básico para hoje, fiquei muito feliz de terem compartilhado comigo a opinião de vocês no post anterior - eu também amo gatos, eu amo tudo quanto é tipo de animal - e que bom que gostaram do meu elefantinho HAHAHA. Estou tentando mudar o layout do blog, porque já enjoei dessas cores e gostaria de algumas dicas de vocês. Aguardo vocês nos comentários!
E Olive: não sei se sereias são considerados animais, mas acredito que não. Girafas também são animais fofíssimos, mas é o animal favorito da minha irmã *-* recebeu minha carta? o Correio tem me sacaneado bastante :(

julho 14, 2011

30 day drawing challenge - Day 2 e histórias sobre elefantes

4 tortas de limão
Eu quase me esquecia de continuar a saga do 30DDC, ainda mais do dia 2 - Favorite Animal; fiquei matutando um bom tempo para escolher qual o meu animal favorito, já estava chegando ao ponto de desenhar um monte de animais juntos, aí lembrei um em especial, e CLARO porque não tinha pensando nele antes? 
Tem uma história para contar, o porquê do elefante, e quero compartilhar com vocês.

Bem, minha vida começou quando eu tinha 5 anos, na verdade. Antes dos cinco anos infelizmente eu não lembro de absolutamente nada - e se lembro, são só momentos com minha irmã, e são muito vagos - mas desde meus 5 anos para cá eu lembro de praticamente tudo, principalmente depois que aprendi a ler e escrever. Quando a gente é criança a gente não sabe que dom que tem, nem se importa com isso - e na verdade, eu ainda não estou certa sobre isso, sobre dons - mas minha vida inteira escutei palpites que faziam sentido. A minha mãe sempre acreditou que eu tinha dois. O de ensinar (todo mundo me diz que tenho uma vocação imensa para ser professora), e o de desenhar, que ela descobriu através dos elefantes. 
Eu só desenhava aqueles desenhos típicos de crianças de 5 anos - casinhas. Mas eu tinha uma lousinha e alguns giz e um certo dia fiquei obcecada por desenhar elefantes. E não eram apenas elefantes típicos de crianças de 5 anos, eram elefantes, mais bonitos que esse que desenhei aí em cima, e acredite, desde então nunca mais quis desenhar "casinhas". Agora tenho mania de desenhar casas propriamente ditas (depois mostro para vocês) e pessoas, com mais detalhes, com mais beleza, até os desenhos que faço hoje, mas com 7 ou 8 anos esqueci dos elefantes. E lembrei agora, com o 30DDC. 
Claro que fui correndo mostrar pra minha mãe, né? Imagina só a surpresa, não precisei nem falar nada. 
Tudo que vocês vêem aqui no blog - textos, desenhos e até as fotografias - são manias minhas de infância, a partir dos 4-5 anos. Praticamente tudo que sou hoje é reflexo daquela época, e olha, sinto muita saudade.
Enfim, os elefantes sempre foram meus animais favoritos na infância. Se fiquei em dúvida, é porque eu adoro animais - adoro mesmo.
E estou obcecada por elefante novamente.
Agora chega de historinhas e me contem: qual o animal favorito de vocês? Vocês tem alguma mania de infância que reflete em quem você é agora? Fiquei curiosa!

julho 08, 2011

Verão inverso

4 tortas de limão
 Custa acordar, abrir os olhos. Meu coração bate, batidas leves de um coração de alguém acabou de acordar, mas não teve nenhum mau sonho, nem bom. Custa levantar, colocar os pés no chão gelado, respirar o ar frio, congelar mais o coração mal aquecido que o inverno fez questão de transformar em algo duro, impenetrável.
Ele bate, mas dentro do gelo, sem derreter, sem quebrar. E assim vivo, nessa rotina incansável, incessante e intensa de andar com um peso congelado no peito. Não amo, não gosto, não sinto. Mas as lágrimas descem aos pedaços, pedaços frios e finos de gelo, o único sinal de que ainda estou aqui. E espero. Insistindo na procrastinação das minhas tarefas, dos meus deveres enquanto contemplo o céu tão azul e limpo, com o sol tão estonteante, que engana, finge que não é inverno. E chega o frio. E então a felicidade vem, mas pela metade. O dia parece quente, mas não o está.
E mais uma vez aguardo, mais uma vez espero. Aguardo com minhas únicas fontes de calor, numa tentativa desesperada de parar de tremer. Custa até mesmo ficar parada, em silêncio, sem algo que chame atenção do meu verão-inverso, meu inverno, que insiste em soprar o ar gélido na minha face ainda entorpecida pelo sono e o calor das cobertas. E do café, claro.
Inverso verão esse que me deixa tão fria por dentro quanto por fora. Vilão das minhas noites solitárias e nas horas do banho, antes quentes. Inverno esse que não me deixa sentir nada além de frio, nada além de lágrimas que congelaram. Nada além de um único sentimento frio, que ainda não tem nome, que não pode ser a tristeza, nem felicidade. Somente cada um pela metade.
Procrastino, aguardo, choro, sinto – pouco, mas sinto – deitada ou de pé, procurando desesperadamente o calor em algum canto iluminado num cômodo qualquer. Contemplo o céu, antes azul, agora estático e cinza e respiro, fundo. Uma, duas ou três vezes. Deixo tudo de lado e aguardo, ansiosamente a primavera chegar.


Este texto faz parte da tag "De Quinze em quinze" do blog depois dos quinze.

julho 04, 2011

Inspiração: Bubbles!

5 tortas de limão
Eu, como boa admiradora de fotografias pela internet que sou, fotos que sempre me passaram a sensação de leveza - além de, quando tirada por boas câmeras, que com certeza não são iguais a minha - são as que tem bolhas. Sim, bolhas! Acho delicado, tanto quanto um complemento na paisagem como personagem principal, se é que posso colocar dessa maneira. Separei algumas fotos, peregrinando pelo flickr, mas super recomendo procurar no we♥it, como sempre, lá tem fotos maravilhosas (o ruim é que nem sempre tem a creditação adequada)

 
 
 


Curtiram as fotos??? Tem alguma recomendação de temas de fotografias bacanas? Então, só mandar nos comentários!
E obrigada pelos elogios aos desenhos do post passado pessoal!


julho 01, 2011

Voltei e 30DDC

7 tortas de limão
Achei essa ilustração no We♥it. Se você souber quem é o autor dessa obra, por favor, manda o link para eu creditar aqui e para conhecer o restante do trabalho. Estou apaixonada por essa ilustração!!!

Oi galere, depois um tempinho fora por motivos técnicos do meu computador que adora dar um pequeno chilique, estou de volta, com um banner novo. A ideia era mudar o layout todo, mas deu preguiça - muita preguiça, ainda mais para mim que entende tão pouco de html e css - mas curti esse banner, ficou bem fofo, já que eu estava bem enjoada do outro.

Drawing Day Challenge
Fazia bastante tempo que tinha visto esse desafio, e estava esperando a hora certa para participar dele. Cada dia você faz um desenho diferente para um tema da lista, mas acho que ficar todo o dia postando é ruim porque não tenho muitos leitores e nem todo o dia o pessoal fica vidrado no blog ou pode ler - nem mesmo tenho tempo pra isso - e ficar com uma lista enorme de posts perdidos no blog é chato, dá preguiça, então vou procurar postar entre um post ou outro para não ficar cansativo.







DAY ONE - YOUSELF!
dia um, você!
É claro que o desenho ficou bem mais bonito do que a verdadeira eu, e também não sou de usar cartolas, mas amo quem usa, acho super lindo!

junho 25, 2011

Hiatus

3 tortas de limão
Gente, essa semana vou ter que dar uma sumidinha, tenho que resolver uns probleminhas técnicos do meu computador, mas o mais breve possível estarei de volta.
Enquanto isso deixo vocês com um desenho simples que fiz esses dias.
Meu dragãozinho *-*

junho 20, 2011

Nostalgia e infância - Fotografia

13 tortas de limão
Pela primeira vez na minha vida, uma professora de artes me passa um trabalho/projeto que eu REALMENTE me interesse e ame: escolha um tema, fotografe e faça um álbum.
Eu e meus amigos ficamos loucos, e como ultimamente andamos muito nostálgicos, resolvemos que o tema seria nossas coisas de criança, tentaríamos passar toda a saudade e nostalgia nas fotos.
E sinceramente? Eu adorei o resultado. Nos divertimos muito fazendo, tentando lembrar pequenas coisas que fazíamos, viramos pequenas grandes crianças ontem (sim, ontem!) então, como a Lari deixou, e o Caco pediu, eu trouxe para vocês também, claro!

E para deixar bem claro: Coloquei creditação pro Who is Hoho'n, mas nem todas as fotos foram tiradas por mim, apesar da maioria. Isso pertence aos meus amigos e eu.

 
 
 
 
Curti muito essa foto da lari
 
Eu, Doug, Thaise e o Fernando
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Sabe qual foi a melhor parte dessas fotos além de fazermos coisas de quando éramos menores? Foi onde a gente tirou: na pracinha em frente a escola onde estudávamos!
 
 
 
Thaise ficou muito super!

Gente, vocês não sabem o quanto eu amei fazer essas fotos. Quem sabe a gente não continua com o projeto, com outros  temas? Qualquer novidades, conto pra vocês!
O que acharam das fotos?